Como instalar o Ubuntu Server 18.04 LTS

R$0.00

Quantity:

Descrição

Não, o Ubuntu não está restrito apenas ao desktop. O Ubuntu Server é a versão do consagrado sistema da Canonical, voltada para servidores.

Este post é voltado para quem realmente quer entar no mundo linux saindo das distros e indo para o mundo dos servers!
“É COMO SEMPRE DIGO, O KALI É UMA FERRARI NA MÃO DE QUEM NÃO SABE PILOTAR UM FUSCA”, mas caso você queira usar as ferramentas do KALI no ubuntu, ubuntu server ou qualquer distro, da uma olhada neste meu git, ele instala todas as tools ou cada uma separada atraves de um script todo especial que desenvolvi para vocês.

https://github.com/gorpo/Kali-Tools-in-Other-Distros

Também partilho os principais comandos do linux , confira a apostilha com 500 comandos linux após ler este post: Download apostila 500 comandos linux.

 

Abaixo como instalar o UBUNTU SERVER 18.04 LTS – Créditos da postagem ao BLOG DO EDIVALDO.

Como instalar o Ubuntu Server de um jeito simples, rápido e direto
Como instalar o Ubuntu Server de um jeito simples, rápido e direto

Como o uso em servidores exige um tempo maior de suporte, o ideal é usar uma versão LTS. Para saber quais versões são LTS, acesse esse link ou esse outro link.

Como instalar o Ubuntu Server

Para fazer o procedimento, será preciso apenas uma mídia de instalação que deve ser baixada no site da Canonical e gravada em CD/DVD ou pendrive. Para fazer isso, siga os links e instruções desses artigos, antes de iniciar o tutorial.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Passo 1. Inicie o computador pela mídia de instalação do Ubuntu Server;
Passo 2. Na primeira tela, escolha a linguagem “Português do Brasil”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 3. Na tela seguinte, escolha a opção “Instalar o Ubuntu Server”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 4. Você será avisado que a tradução do instalador para nossa língua ainda não está completa. Para prosseguir, use as setas do teclado e selecione a opção “Yes” e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 5. Em “Configure o teclado”, selecione o país de origem para o layout do seu teclado e tecle “Enter”. No exemplo desse tutorial (um teclado ABNT2), será usada a opção “Portuguese (Brasil)”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 6. Na tela a seguir, escolha  um layout que corresponda ao do seu teclado físico e confirme teclando “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 7.  Informe um nome para identificar o computador na rede. Depois vá para a opção “Continuar” e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

passo 8. Agora digite o nome real do usuário que usará o servidor. Depois vá para a opção “Continuar” e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 9. Na próxima tela digite o nome que esse usuário irá utilizar para fazer login no servidor;

Como instalar o Ubuntu Server
Passo 10. No próximo passo, digite a senha desse usuário. Na tela seguinte, digite novamente a senha e depois vá para a opção “Continuar” e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 11. Quando questionando se deseja criptografar a pasta pessoal, responda “Não” e continue;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 12. O instalador irá descobrir e mostrar o fuso horário de sua localização. Se tudo estiver certo, confirme e continue;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 13. Chegou a hora de particionar o disco do servidor. Para esse exemplo, será usada a opção “Assistido – usar o disco inteiro”, mas cada administrador deve utilizar aquela que for mais adequada à sua necessidade;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 14. Selecione o disco a ser particionado usando as setas do teclado e tecle “Enter” para continuar;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 15. Será mostrado o esquema de particionamento, confirme para continuar;
Como instalar o Ubuntu Server

Passo 16. Será pedido informações sobre o proxie de sua rede, preencha ou deixe em branco se não for necessário informar e depois vá para a opção  “Continuar” e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 17. Será perguntado se o servidor receberá as atualizações automaticamente ou não. Escolha a opção mais conveniente e tecle “Enter” para continuar;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 18. Marque o serviço que deseja instalar no servidor e depois vá para a opção “Continuar’ e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 19. Na tela de instalação do GRUB, apenas escolha a opção “SIM” (se for o caso) e tecle “Enter”;

Como instalar o Ubuntu Server

Passo 20. Será mostrada uma tela confirmando o fim da instalação. Vá para a opção “Continuar” e tecle “Enter”. Quando o computador reiniciar, retire a mídia de instalação;

Como instalar o Ubuntu Server

Pronto. O Ubuntu Server está instalado e agora você já pode instalar novos programas e configurá-lo para ficar do jeito que for mais conveniente para as suas necessidades.

Lista de comandos mais usados no Linux

Numa manutenção de rotina usa-se os comandos em momentos de monitoração e (ou) urgência:

  • ls: Lista todos os arquivos do diretório
  • df: Mostra a quantidade de espaço usada no disco rígido
  • top: Mostra o uso da memória
  • cd: Acessa uma determinada pasta (diretório)
  • mkdir: Cria um diretório
  • rm: Remove um arquivo/diretório
  • cat: Abre um arquivo
  • vi: Abre o editor vi (lê-se viai) para editar/criar arquivos

Lista de comandos por funcionalidades:

Comandos de Controle e Acesso

  • exit: Terminar a sessão, ou seja, a shell (mais ajuda digitando man sh ou man csh)
  • logout: Des-logar, ou seja, terminar a sessão atual, mas apenas na C shell e na bash shell
  • passwd: Mudar a password do nosso utilizador (usuário logado)
  • rlogin: Logar de forma segura em outro sistema Unix/Linux
  • ssh: Sessão segura, vem de secure shell, e permite-nos logar num servidor remoto através do protocolo ssh
  • slogin: Versão segura do rlogin
  • yppasswd: Mudar a password do nosso utilizador nas páginas amarelas (yellow pages)

Comandos de Comunicações

  • mail: Enviar e receber emails
  • mesg: Permitir ou negar mensagens de terminal e pedidos de conversação (talk requests)
  • pine: Outra forma de enviar e receber emails, uma ferramenta rápida e prática
  • talk: Falar com outros utilizadores que estejam logados no momento
  • write: Escrever para outros utilizadores que estejam logados no momento

Comandos de Ajuda e Documentação

  • apropos: Localiza comandos por pesquisa de palavra-chave
  • find: Localizar arquivos, como por exemplo: find . -name *.txt -print, para pesquisa de arquivos de texto do diretório atual
  • info: Abre o explorador de informações
  • man: Manual muito completo, pesquisa informação acerca de todos os comandos que necessitemos de saber, como por exemplo man find
  • whatis: Descreve o que um determinado comando é/faz
  • whereis: Localizar a página de ajuda (man page), código fonte, ou arquivos binários, de um determinado programa

Comandos de Edição de Texto

  • emacs: Editor de texto screen-oriented
  • pico: Editor de texto screen-oriented, também chamado de nano
  • sed: Editor de texto stream-oriented
  • vi: Editor de texto full-screen
  • vim: Editor de texto full-screen melhorado (vi improved)

Comandos de Gestão de Arquivos e Directorias

  • cd: Mudar de diretório atual, como por exemplo cd diretório, cd .., cd /
  • chmod: Mudar a proteção de um arquivo ou diretório, como por exemplo chmod 777, parecido com o attrib do MS-DOS
  • chown: Mudar o dono ou grupo de um arquivo ou diretório, vem de change owner
  • chgrp: Mudar o grupo de um arquivo ou diretório
  • cmp: Compara dois arquivos
  • comm: Seleciona ou rejeita linhas comuns a dois arquivos selecionados
  • cp: Copia arquivos, como o copy do MS-DOS
  • crypt: Encripta ou Descripta arquivos (apenas CCWF)
  • diff: Compara o conteúdo de dois arquivos ASCII
  • file: Determina o tipo de arquivo
  • grep: Procura um arquivo por um padrão, sendo um filtro muito útil e usado, por exemplo um cat a.txt | grep ola irá mostrar-nos apenas as linhas do arquivo a.txt que contenham a palavra “ola”
  • gzip: Comprime ou expande arquivo
  • ln: Cria um link a um arquivo
  • ls: Lista o conteúdo de uma diretório, semelhante ao comando dir no MS-DOS
  • lsof: Lista os arquivos abertos, vem de list open files
  • mkdir: Cria uma diretório, vem de make directory”
  • mv: Move ou renomeia arquivos ou diretórios
  • pwd: Mostra-nos o caminho por inteiro da diretório em que nos encontramos em dado momento, ou seja um pathname
  • quota: Mostra-nos o uso do disco e os limites
  • rm: Apaga arquivos, vem de remove, e é semelhante ao comando del no MS-DOS, é preciso ter cuidado com o comando rm * pois apaga tudo sem confirmação por defeito
  • rmdir: Apaga diretório, vem de remove directory
  • stat: Mostra o estado de um arquivo, útil para saber por exemplo a hora e data do último acesso ao mesmo
  • sync: Faz um flush aos buffers do sistema de arquivos, sincroniza os dados no disco com a memória, ou seja escreve todos os dados presentes nos buffers da memória para o disco
  • sort: Ordena, une ou compara texto, podendo ser usado para extrair informações dos arquivos de texto ou mesmo para ordenar dados de outros comandos como por exemplo listar arquivos ordenados pelo nome
  • tar: Cria ou extrai arquivos, muito usado como programa de backup ou compressão de arquivos
  • tee: Copia o input para um standard output e outros arquivos
  • tr: Traduz caracteres
  • umask: Muda as proteções de arquivos
  • uncompress: Restaura um arquivo comprimido
  • uniq: Reporta ou apaga linhas repetidas num arquivo
  • wc: Conta linhas, palavras e mesmo caracteres num arquivo

Exibição ou Impressão de Arquivos

  • cat: Mostra o conteúdo de um arquivo, como o comando type do MD-DOS, e é muito usado também para concatenar arquivos, como por exemplo fazendo cat a.txt b.txt > c.txt” para juntar o arquivo a.txtb.txt num único de nome c.txt
  • fold: Encurta, ou seja, faz um fold das linhas longas para caberem no dispositivo de output
  • head: Mostra as primeiras linhas de um arquivo, como por exemplo com head -10 a.txt, ou usado como filtro para mostrar apenas os primeiros x resultados de outro comando
  • lpq: Examina a spooling queue da impressora
  • lpr: Imprime um arquivo
  • lprm: Remove jobs da spooling queue da impressora
  • more: Mostra o conteúdo de um arquivo, mas apenas um ecrã de cada vez, ou mesmo output de outros comandos, como por exemplo ls | more
  • less: Funciona como o more, mas com menos features, menos características e potenciais usos
  • page: Funciona de forma parecida com o comando more, mas exibe os ecrãs de forma invertida ao comando more
  • pr: Pagina um arquivo para posterior impressão
  • tail: Funciona de forma inversa ao comando head, mostra-nos as últimas linhas de um arquivo ou mesmo do output de outro comando, quando usado como filtro
  • zcat: Mostra-nos um arquivo comprimido
  • xv: Serve para exibir, imprimir ou mesmo manipular imagens
  • gv: Exibe arquivos ps e pdf
  • xpdf: Exibe arquivos pdf, usa o gv

Comandos de Transferência de Arquivos

  • ftp: Vem de file transfer protocol, e permite-nos, usando o protocolo de transferência de arquivos ftp, transferir arquivos entre vários hosts de uma rede, como a um servidor de ftp para enviar ou puxar arquivos
  • rsync: Sincroniza de forma rápida e flexível dados entre dois computadores
  • scp: Versão segura do rcp

Comandos de Notícias ou Rede

  • netstat: Mostra o estado da rede
  • rsh: Um shell em outros sistemas UNIX
  • ssh: Versão segura do rsh
  • nmap: Poderoso port-scan, para visualizarmos portas abertas num dado host
  • ifconfig: Visualizar os ips da nossa máquina, entre outras funções relacionadas com ips
  • ping: Pingar um determinado host, ou seja, enviar pacotes icmp para um determinado host e medir tempos de resposta, entre outras coisas

Comandos de Controlo de Processos

  • kill: Mata um processo, como por exemplo kill -kill 100 ou kill -9 100 ou kill -9 %1
  • bg: Coloca um processo suspenso em background
  • fg: Ao contrário do comando bg, o fg traz de volta um processo ao foreground
  • jobs: Permite-nos visualizar jobs em execução, quando corremos uma aplicação em background, poderemos ver esse job com este comando, e termina-lo com um comando kill -9 %1, se for o jobnúmero 1, por exemplo
  • top: Lista os processos que mais cpu usam, útil para verificar que processos estão a provocar um uso excessivo de memória, e quanta percentagem decpu cada um usa em dado momento
  • ^y: Suspende o processo no próximo pedido de input
  • ^z: Suspende o processo actual

Comandos de Informação de Estado

  • clock: Define a hora do processador
  • date: Exibe a data e hora
  • df: Exibe um resumo do espaço livre em disco
  • du: Exibe um resumo do uso do espaço em disco
  • env: Exibe as variáveis de ambiente
  • finger: Pesquisa informações de utilizadores
  • history: Lista os últimos comandos usados, muito útil para lembrar também de que comandos foram usados para fazer determinada acção no passado ou o que foi feito em dada altura
  • last: Indica o último login de utilizadores
  • lpq: Examina a spool queue
  • manpath: Mostra a path de procura para as páginas do comando man
  • printenv: Imprime as variáveis de ambiente
  • ps: Lista a lista de processos em execução, útil para saber o pid de um processo para o mandar abaixo com o comando kill, entre outras coisas
  • pwd: Mostra-nos o caminho por inteiro do diretório em que nos encontramos em dado momento, ou seja um pathname
  • set: Define variáveis da sessão, ou seja, da shell, na C shell, na bash ou na ksh
  • spend: Lista os custos ACITS UNIX até à data
  • time Mede o tempo de execução de programas
  • uptime: Diz-nos há quanto tempo o sistema está funcional, quando foi ligado e o seu uptime
  • w: Mostra-nos quem está no sistema ou que comando cada job está a executar
  • who: Mostra-nos quem está logado no sistema
  • whois: Serviço de diretório de domínios da Internet, permite-nos saber informações sobre determinados domínios na Internet, quando um domínio foi registado, quando expira, etc
  • whoami: Diz-nos quem é o dono da shell

Comandos de Processamento de Texto

  • abiword: Processador de Texto Open Source
  • addbib: Cria ou modifica bases de dados bibliográficas
  • col: Reverte o filtro a line feeds
  • diction: Identifica sentenças com palavras
  • diffmk: Marca diferenças entre arquivos
  • dvips: Converte arquivos TeX DVI em arquivos PostScript
  • explain: Explica frases encontradas pelo programa diction
  • grap: Preprocessador pic para desenhar gráficos, usado em tarefas elementares de análises de dados
  • hyphen: Encontra palavras com hífens
  • ispell: Verifica a ortografia de forma interativa
  • latex: Formata texto em LaTeX, que é baseado no TeX
  • pdfelatex: Para documentos LaTeX em formato pdf
  • latex2html: Converter LaTeX para html
  • lookbib: Encontra referências bibliográficas
  • macref: Cria uma referência cruzada listando arquivos de macros nroff/troff
  • ndx: Cria uma página de indexação para um documento
  • neqn: Formata matemáticas com nroff
  • nroff: Formata texto para exibição simples
  • pic: Produz simples imagens para troff input
  • psdit: Filtra um output troff para a Apple LaserWriter
  • ptx: Cria uma indexação permutada mas não em CCWF
  • refer: Insere referências de bases de dados bibliográficas
  • roffbib: Faz o run off de uma base de dados bibliográfica
  • sortbib: Ordena uma base de dados bibliográfica
  • spell: Encontra erros de ortografia
  • style: Analisa as características superficiais de um documento
  • tbl: Formata tabelas para nroff/troff
  • tex: Formata texto
  • tpic: Converte arquivos pic source em comandos TeX
  • wget: Permite-nos fazer o download completo de páginas web, com todos os arquivos, de forma fácil e não interactiva, sem exigir por isso presença do utilizador, respeitando também o arquivorobots.txt

Web

  • html2ps: Conversor de html para ps
  • latex2html: Conversor de LaTeX para html
  • lynx: Navegador web baseado em modo de texto, ou seja, é um web browser que nos permite abrir todo o tipo de páginas visualizando apenas os textos elinks, não vendo assim as imagens, e sendo por isso bastante rápido, mas requere prática para ser manuseado
  • netscape: Navegador web da Netscape
  • sitecopy: Aplicação que nos permite manter fácil e remotamente web sites
  • weblint: Verificador de sintaxes e de estilos html.